http://coracaovivo.com.br/sys/wp-content/uploads/2006/04/A-importancia-de-se-prevenir-contra-a-Gripe-H1N1-coracao-vivo.jpgA importância de se prevenir contra a Gripe H1N1
 

A importância de se prevenir contra a Gripe H1N1

De acordo com um boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, entre as 115 mortes por gripe H1N1 de janeiro a abril de 2016, 37 foram de pessoas que sofriam de problemas cardíacos ou diabetes. Isso é cerca de 1/3 do total e mostra o quão importante é se prevenir contra gripe, principalmente para quem tem problemas relacionados ao coração.

Também conhecida como gripe A, ou Gripe Suína, é uma doença causada pelo vírus H1N1 e desde a sua primeira epidemia em 2009 tem causado apreensão e medo, além de muita dúvida sobre os efeitos à saúde.

Este artigo tem como objetivo tirar suas dúvidas sobre quais são os riscos, como é a transmissão e como proteger você e seus familiares.

Prevenção e vacinas

O cuidado com a contaminação é crucial para prevenir a infecção com o H1N1. Para isso é fundamental seguir as seguintes recomendações:

  • As mãos devem lavadas com frequência;
  • Uso de lenço descartável para a limpeza do nariz;
  • Cobrir a boca quando tossir ou espirrar, e evitar tocar os olhos, nariz ou boca antes de uma correta higienização das mãos;
  • Não compartilhar talheres, pratos, copos ou garrafas;
  • Deixar os ambientes ventilados e evitar locais com pouca ventilação e grande circulação de pessoas;
  • Evitar contato com pessoas que apresentem os sintomas da Gripe H1N1;
  • Adotar uma dieta alimentar mais saudável.

A vacinação é outro ponto importante contra a Gripe H1N1. Na rede pública está disponível gratuitamente apenas para as pessoas que fizerem parte do grupo de risco, sendo a vacina do tipo trivalente, protegendo contra a Influenza A H1N1, Influenza A H3N2 e a Influenza B (subtipo Brisbane). Confira sempre o calendário de vacinação pública no site do Ministério da Saúde.
Já na rede particular a vacina está disponível para todos e além da trivalente costumam oferecer também a do tipo quadrivalente, com os preços variando de acordo com o local.

Esta vacina só é contraindicada para pessoas alérgicas a ovo e para quem já teve reações alérgicas à imunização nos anos anteriores.

Grupos de risco

O H1N1 causa uma gripe mais forte e potencialmente mais perigosa para quem já tem a saúde debilitada, crianças até 5 anos e portadores de doenças crônicas ou com deficiências imunológicas. Essas pessoas fazem parte do grupo de risco que recebe a imunização gratuita:

  • Grávidas em qualquer idade gestacional e com até 45 dias após o parto;
  • Crianças entre 6 meses e 5 anos;
  • Adultos com mais de 60 anos de idade;
  • Indígenas;
  • Portadores de doenças crônicas não transmissíveis;
  • Portadores de doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias;
  • População carcerária;
  • Funcionários do sistema prisional.

Mitos e verdades sobre a Gripe H1N1

Com tantas matérias e notícias sobre a gripe é natural que haja muita desinformação, principalmente circulando nas redes sociais como Facebook. Além de atrapalhar o combate à surtos da doença, falsas informações podem levar pessoas a se contaminar ao seguir recomendações equivocadas compartilhadas todos os dias. E como a H1N1 é diferente da gripe comum, é normal surgirem dúvidas sobre ela. Pensando nisso trazemos alguns mitos e verdades relacionados à doença:

1) Tomei a vacina ano passado, não preciso tomar novamente esse ano.

Mito: Se você tomou a vacina no ano passado precisa tomar novamente esse ano, isso porque o vírus da gripe sofre muitas mutações e é bem provável que você entre em contato com uma versão diferente da do ano passado. É importante tomar as vacinas atualizadas ano a ano pelos laboratórios. Sempre converse com seu médico ou farmacêutico sobre as atualizações das vacinas.

2) Estou gripado e posso tomar a vacina.

Verdade: Mesmo estando gripado você pode deve tomar a vacina, contando que esteja sem febre. A vacina só é contraindicada para: bebês com menos de 6 meses, pessoas com febre, com doenças neurológicas ou alérgicas ao ovo ou às substâncias timerosal (presente no Merthiolate) e neomicina.

3) Pega gripe suína se comer carne de porco.

Mito: Apesar de estar no porco, a gripe só é transmitida através do contato com a saliva, espirro ou secreções de uma pessoa doente.

4) A vacina contra H1N1 mata.

Mito: A vacina é muito segura e por isso é recomendada. O boato surgiu por causa do mercúrio e óleo de esqualeno em sua composição. Na verdade o mercúrio é o etilmercúrio, um conservante também utilizado em outras vacinas e o óleo de esqualeno é também encontrado no corpo humano e é usado para aumentar a sua eficácia.

5) Grávidas ou em amamentação podem tomar a vacina.

Verdade: não há contraindicação da vacina em qualquer idade gestacional ou nos 45 dias após o parto. Mas mesmo assim a aplicação da vacina deve ser autorizada pelo obstetra.

6) O único meio de transmissão da gripe é pelo ar.

Mito: apesar de também ser transmitida pelo ar, a gripe H1N1 pode ser transmitida por contato com superfícies contaminadas e também com a saliva de pessoas doentes.

7) Efeitos colaterais da vacina são muito fortes.

Mito: como a vacina usa vírus inativos em pedaços não existe a possibilidade de sofrer efeitos colaterais sérios, mas ainda sim é possível pegar gripe mesmo depois de vacinado. Em alguns casos pode haver ardência no local da aplicação e um pouco de febre e mal estar durante dois dias.

8) Essa vacina só pode ser tomada até certa idade.

Mito: a vacina deve ser tomada por todas as idades e quanto mais cedo melhor. A partir de 6 meses de vida já é possível a imunização.

9) A vacina pode ser tomada pelo SUS.

Verdade: mas no SUS ela é restrita à pessoas que fazem parte do grupo de risco. Na rede particular está liberada para todos.

10) A vacina na rede particular é cara.

Verdade: as vacinas disponíveis na rede particular possuem valores variados que podem chegar até R$ 200.

11) Usar erva-doce ao invés de Tamiflu para combater a Gripe H1N1.

Mito: apesar da erva-doce possuir em sua composição o anis estrelado, esse não é o mesmo que é retirado de uma planta chinesa para a produção do remédio Tamiflu. Por isso o remédio não deve ser substituído pela erva-doce. Mas isso não impede de tomar chá de erva-doce junto ao tratamento com o Tamiflu, pois o chá tem ação tônica, expectorante e relaxante.

Conclusão

A Gripe H1N1 é muito séria e que deve ser prevenida a todo custo. Caso haja suspeita, é importante o atendimento médico para diferenciar os sintomas de gripe comum, gripe H1N1 e Zika, para o tratamento adequado.

Author Description

Redação do Site

Administração e redação de artigos para as redes sociais e o site Coração Vivo. É quem cuida para que o sistema esteja sempre funcionando e em ordem por aqui! Curta Coração Vivo no Facebook https://www.facebook.com/coracaovivo/

No comments yet.

Join the Conversation